sábado, 12 de janeiro de 2008

Tédio


Passo pálida e triste. Oiço dizer :
" Que branca que ela é ! Parece morta ! "
E eu que vou sonhando, vaga, absorta,
Não tenho um gesto, ou um olhar sequer...

Que diga o mundo e a gente o que quiser !
-- O que é que isso me faz ? O que me importa ?
O frio que trago dentro gela e corta
Tudo que é sonho e graça na mulher !

O que é que me importa ? ! Essa tristeza
É menos dor intensa que frieza,
É um tédio profundo de viver !

E é tudo sempre o mesmo, eternamente...
O mesmo lago plácido, dormente...
E os dias, sempre os mesmos, a correr...

Florbela Espanca

2 comentários:

Y disse...

'Dorme meu menino a estrela d'alva
Já a procurei e não a vi
Se ela não vier de madrugada
Outra que eu souber será p'ra ti

Outra que eu souber na noite escura
Sobre o teu sorriso de encantar
Ouvirás cantando nas alturas
Trovas e cantigas de embalar'

'Canção de embalar'
Zeca Afonso

De estrelas e de alvura são cosidos os cobertores desta noite...

Ana disse...

"Dias de tédio, amargurados dias,
Estes os que arrasto à espera de melhores
Estes de sol, então são os piores:
Mais me abatem as lassas energias.
(...)
Todo este mal, toda esta desventura,
Vem do sentir e amar em demasia,
E ver que é sempre simulada ou fria
Toda afeição que eu supusera pura."
(...)

TAEDIUM VITAE - Marcelo Gama