terça-feira, 10 de abril de 2007

Deserto do Mundo

Para atravessar contigo o deserto do mundo
Para enfrentarmos juntos o terror da morte
Para ver a verdade para perder o medo
Ao lado dos teus passos caminhei
Por ti deixei meu reino meu segredo
Minha rápida noite meu silêncio
Minha pérola redonda e seu oriente
Meu espelho minha vida minha imagem
E abandonei os jardins do paraíso
Cá fora à luz sem véu do dia duro
Sem os espelhos vi que estava nua
E ao descampado se chamava tempo
Por isso com teus gestos me vestiste
E aprendi a viver em pleno vento

Sophia de Mello Breyner Andresen - Livro Sexto (1962)

3 comentários:

Ana disse...

Auspicioso regresso!

"Pedem tanto a quem ama: pedem
o amor. Ainda pedem
a solidão e a loucura"

Herberto Helder

scorpia disse...

"Neither metal nor wax am I.
Neither slave nor free man am I.
To none have I given my heart,
Nor have I taken another`s.

Come what way, I no longer hold sway.
For to a stranger I belong.
And wherever he may entice me
Invariably I shall go."

Rumi (You are the drop, and the ocean)Para contrastar com o deserto...
Vais ter o prazer de ler mais umas coisinhas deste senhor...espero que ainda não tenhas!

jorge disse...

QUE LINDAS FOTOGRAFIAS !!!
NÃO HÁ NADA MELHOR QUE SENTIR O AR PURO NO CIMO DE UMA DUNA DE AREIA DO DESERTO QUANDO O CORAÇÂO BATE FORTE E OS PULMÕES ARDEM A LUZ DA LUA.
NOITES NO DESERTO SÃO VIVIDAS COM REFLEXÃO E CALMA, VIVENDO O MOMENTO E SENTINDO O QUÃO PEQUENOS SOMOS FACE A IMENSIDÃO.

SALUT ET CARPE DIEM