terça-feira, 4 de setembro de 2007

Aviso à Navegação



Alto aí!
Aviso à navegação!
Eu não morri:
Estou aqui
na ilha sem nome,
sem latitude nem longitude,
perdida nos mapas,
perdida no mar Tenebroso!
Sim, eu,
o perigo para a navegação!,
o dos saques e das abordagens,
o capitão da fragata
cem vezes torpedeada,
cem vezes afundada,
mas sempre ressuscitada!

Eu que aportei
com os porões inundados,
as torres desmoronadas,
os mastros e os lemes quebrados
- mas aportei!

E não espereis de mim a paz...

Aviso à navegação
Não espereis de mim a paz!
Que quanto mais me afundo
maior é a minha ânsia de salvar-me!

Que quanto mais um golpe me decepa
maior é a minha força de luar!

Não espereis de mim a paz!
Que na guerra
só conheço dois destinos
ou vencer - ai dos vencidos! -
ou morrer sob os escombros
da luta que alevantei!

- (Foi jeito que me ficou,
não me sei desinteressar
do jogo que me jogar.)

Não espereis de mim a paz,
aviso à navegação!
Não espereis de mim a paz
que vos não sei perdoar!

Joaquim Namorado

2 comentários:

scorpia disse...

Ò meu amigo, quer parecer-me que usted andará embrenhado em leituras um pouco obscuras para a altura do ano...Aconselho a Tvmais e a Maria com o suplemento das Chiquititas para uma mergulhar na relidade portuguesa... Porque esse tal de Joaquim Namorado parece o Adamastor...será que é de propósito? Hum?

PS: se precisares e em último recurso posso emprestar-te a minha edição limitada e numerada da revista de Floribela...depois de leres a vidinha dela, nada te parece mau!

Ihihihihihihihihihh
Wicked, como diria o Sr Ali...

No Vember disse...

loooool.... venha essa literatura erudita!!!!!
mas só se for acompanhada de uma edição encadernada de Corin Tellado...

Respeeeect!!! ;)